Pegada Ecológica

Atualizado: 24 de mai.

A pegada ecológica é um método promovido pela Global Footprint Network para medir a demanda humana em capital natural, ou seja, a quantidade de natureza necessária para sustentar as pessoas ou uma economia.






Como funciona a pegada ecológica?


A contabilidade da Pegada Ecológica mede a procura e a oferta da natureza.

Do lado da procura, a Pegada Ecológica soma todas as áreas produtivas pelas quais compete uma população, uma pessoa ou um produto. Mede os activos ecológicos que uma determinada população ou produto necessita para produzir, os recursos naturais que consome (incluindo alimentos à base de plantas e produtos de fibra, pecuária e produtos pesqueiros, madeira e outros produtos florestais, espaço para infraestrutura urbana) e para absorver os seus resíduos, especialmente emissões de carbono.

A Pegada Ecológica acompanha o uso de superfícies produtivas. Normalmente, essas áreas são: terras de cultivo, pastagens, áreas de pesca, áreas construídas, área florestal e necessidade de carbono em terra.

Do lado da oferta, a biocapacidade de uma cidade, estado ou nação representa a produtividade de seus activos ecológicos (incluindo terras agrícolas, pastagens, florestas, áreas de pesca e áreas construídas). Essas áreas, especialmente se não forem colhidas, também podem servir para absorver os resíduos que geramos, especialmente nossas emissões de carbono(e equivalentes) da queima de combustível fóssil.

Tanto a Pegada Ecológica quanto a biocapacidade são expressas em hectares globais – hectares padronizados globalmente comparáveis com a produtividade média mundial.

A Pegada Ecológica de cada cidade, estado ou nação pode ser comparada à sua biocapacidade ou à do mundo.

Se a Pegada Ecológica de uma população excede a biocapacidade da região, essa região apresenta um déficit de biocapacidade. A sua procura pelos bens e serviços que as suas terras e mares podem fornecer – frutas e vegetais, carne, peixe, madeira, algodão para roupas e absorção de dióxido de carbono – excede o que os ecossistemas da região podem regenerar. Em comunicações mais populares, também chamamos isso de “déficit ecológico”. Uma região em déficit ecológico atende à procura importando, liquidando seus próprios activos ecológicos (como a pesca predatória) e/ou emitindo dióxido de carbono para a atmosfera. Se a biocapacidade de uma região excede sua Pegada Ecológica, ela possui uma reserva de biocapacidade.

Concebida em 1990 por Mathis Wackernagel e William Rees na Universidade da Colúmbia Britânica, a Pegada Ecológica lançou o movimento mais amplo da Pegada, incluindo a Pegada de carbono, e agora é amplamente utilizada por cientistas, empresas, governos, indivíduos e instituições que trabalham para monitorizar a ecologia do uso de recursos e promover o desenvolvimento sustentável. Os cálculos mais proeminentes são aqueles produzidos para os países. Chamamos isso de Contas Nacionais de Pegada e Biocapacidade.

A mudança está em cada um de nós, calcule a sua pegada ecológica e verifique o impacto que tem no meio ambiente.


#energiasrenovaveis #ambiente#eficiencia #energia #bemestar #aquecimentoglobal #energiadasondas #pegadaecologica

Posts recentes

Ver tudo