Papel Social da Energia Fotovoltaica






Lâmpadas de querosene e olhos doridos já foram elementos rotineiros da avaliação dos trabalhos de casa dos alunos. A electricidade solar mudou isso. Caroline Hombe, uma professora de 35 anos da zona rural de Mhondoro, no Zimbábue, pode percorrer a pilha de livros empilhados na sua mesa sem se preocupar que o início da escuridão acabe com o seu trabalho. Os países africanos, abençoados com luz solar durante todo o ano, estão aproveitando esta fonte de energia limpa e gratuita para iluminar casas remotas e isoladas que não têm esperança imediata de se conectarem à sua rede elétrica nacional.

“Os meus olhos doíam sempre e a minha cabeça doía por causa da fumaça”, disse Hombe à Africa Renewal. “Imagine tentar ler uma centena de livros de exercícios com pouca luz e fumaça. A alternativa era marcar as tarefas antes do pôr do sol, mas isso significava que eu não poderia passar tempo com meus dois filhos pequenos antes de dormirem, ou preparar o jantar cedo o suficiente. Felizmente, isso agora é uma dor de cabeça do passado.”


A eletrificação das áreas rurais apresenta desafios únicos para os governos africanos. As casas rurais remotas e dispersas, ao contrário das casas nas áreas urbanas, são caras e muitas vezes impraticáveis ​​para se conectar à rede. Sob a Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD), os países procuram alternativas inovadoras para dar às famílias rurais meios eficientes para cozinhar os seus alimentos e iluminar as suas casas. Fontes autónomas de energia, como geradores solares, eólicos e mini-hídricos, podem ajudar a preencher a lacuna.


A NEPAD, o plano de desenvolvimento da África, reconhece que para alcançar a prosperidade social e económica desejada, os países devem aumentar o acesso a energia mais barata e confiável. Excluindo a África do Sul e o Egipto, não mais de 20% (e em alguns países apenas 5%) dos africanos têm eletricidade. Este número cai para uma média de 2 por cento nas áreas rurais onde vive a maioria dos africanos – muito longe do nível de consumo de 35 por cento, ou mais, que os líderes africanos desejam alcançar.


"O sol é de graça"


A meta é bastante viável, diz o Sr. Garai Makokoro, director do Instituto de Tecnologia de Energia no Zimbábue. A África, afinal, possui alguns dos maiores cursos de água do mundo (potencial hídrico), bem como algumas das maiores reservas mundiais de petróleo, carvão e gás. A maneira de levar adiante a visão da NEPAD, acrescenta, é que os países encontrem fontes de energia mais baratas, minimizando os riscos ambientais e garantindo a sustentabilidade. O especialista em energia acredita que a energia solar, limpa e renovável, se encaixa na conta.


“Os países africanos devem pensar fora da caixa. O sol é livre e inesgotável. A tecnologia solar – painéis fotovoltaicos – converte a radiação do sol directamente em eletricidade sem poluição ou danos ao meio ambiente. Os painéis podem gerar energia suficiente para alimentar fogões, bombear água, iluminar clínicas e alimentar televisores. A África tem um dos melhores climas para este tipo de energia”, disse Makokoro à Africa Renewal.


Mas mesmo com as vantagens que a energia solar oferece, o Relatório de Desenvolvimento Humano, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), mostra que a maioria dos africanos ainda depende de fontes de energia tradicionais menos eficientes. Madeira, ou outra biomassa, como resíduos de colheitas, é o combustível dominante para cozinhar. Isso tem um custo enorme para o meio ambiente, pois as famílias continuam cortando árvores para obter o combustível necessário.


No início da década de 1990, vários vilarejos voltaram-se para a energia solar em partes da África, onde menos se poderia esperar encontrar um oásis de luzes brilhando na noite escura. Talvez o projecto mais ambicioso desta natureza, e que é frequentemente citado, seja um projecto do Zimbábue apoiado pelo PNUD através do Fundo para o Meio Ambiente Global (GEF). A iniciativa, financiada conjuntamente pelo GEF (US$ 7 milhões) e Zimbábue (US$ 400.000), instalou cerca de 9.000 sistemas de energia solar em todo o país numa tentativa de melhorar os padrões de vida, mas também reduzir a degradação e a poluição da terra.


O River Estate perto de Shamva, a 70 quilómetros da capital do Zimbábue, Harare, possui um dos melhores modelos de vilas solares do país. Cinquenta e duas famílias de agricultores comerciais compartilham sistemas, há um sistema para cada duas casas. Cada família tem duas lâmpadas e uma conexão para um rádio ou um pequeno aparelho de televisão. Os novos sistemas de iluminação melhoraram a qualidade de vida da comunidade. Eles ampliaram as horas de estudo para crianças em idade escolar, reduziram a migração rural-urbana na área e melhoraram os padrões de saúde eletrificando um centro de saúde local.



Financiamento inovador


“Com todas as suas vantagens, os sistemas solares não são baratos de instalar”, diz o Sr. Jem Porcaro, analista do Grupo de Energia e Meio Ambiente do PNUD. “Um sistema doméstico típico na África Subsaariana custa entre US$ 500 e US$ 1.000 e esses sistemas normalmente fornecem energia suficiente para iluminar de três a seis quartos e alimentar uma TV em preto e branco todas as noites. Mas o custo está muito além dos meios da maioria das famílias africanas.”


O uso de esquemas de financiamento inovadores, como acordos de taxa por serviço, é uma maneira de superar esses altos custos iniciais, observa Porcaro. A instalação de painéis solares para alimentar várias casas ao mesmo tempo também pode reduzir os custos. Mais famílias poderiam comprar energia solar, argumenta o Banco Mundial, se os governos removessem barreiras, como altas taxas de importação, que aumentam o custo dos painéis. A cooperação regional para facilitar o comércio é outro objetivo importante da NEPAD.


Os líderes africanos estão demonstrando o compromisso de levar a energia solar para as casas rurais. Por exemplo, um relatório do PNUD-GEF sobre financiamento solar e modelos de entrega observa que as vendas privadas, através de revendedores, inicialmente dominaram o mercado na África do Sul, mas que o governo, um dos principais proponentes da NEPAD, mais tarde iniciou um esforço massivo fora da rede que é agora totalmente ativo. Angola, Botsuana, Namíbia, Suazilândia, Zâmbia e a maioria dos países da região desenvolveram mercados solares, em muitos casos com fundos especiais para apoiar o crédito ao consumidor.



Impulsionar as empresas


Além do uso doméstico, as pessoas estão aproveitando a energia solar para administrar pequenos negócios. A empresária Abina Lungu opera uma fábrica de moagem de milho em Nyimba, leste da Zâmbia. Com energia solar confiável, ele pode trabalhar até tarde da noite para atender todos os pedidos de seus clientes. A sua casa, próxima ao moinho, também é iluminada por energia solar. O Sr. Lungu é um dos muitos moradores atendidos pela Nyimba Energy Service Company (NESCO), uma empresa financiada pela Agência Sueca de Desenvolvimento Internacional. Para obter energia em uma casa ou loja, a NESCO instala um sistema que inclui um painel, bateria, controlador de carga e pontos de energia. O custo é de $ 33,33, incluindo a taxa do contrato. Depois disso, os consumidores pagam uma taxa mensal de aluguer.


“Eu pago 30.000 kwacha [cerca de US$ 6,25] como taxa de aluguer todos os meses para a NESCO”, disse Lungu à Integrated Regional Information Networks (IRIN), uma agência de notícias humanitárias. “Para mim, é mais barato usar energia solar porque a parafina é mais cara e, mesmo que a eletricidade chegue a Nyimba, nem todas as pessoas estarão conectadas.”



Posts recentes

Ver tudo

Algas